Science.gov

Sample records for aberracoes cromossomicas induzidas

  1. Alterações Induzidas Pelo Exercício no Número, Função e Morfologia de Monócitos de Ratos

    PubMed Central

    GUERESCHI, MARCIA G.; PRESTES, JONATO; DONATTO, FELIPE F.; DIAS, RODRIGO; FROLLINI, ANELENA B.; FERREIRA, CLÍLTON KO.; CAVAGLIERI, CLAUDIA R.; PALANCH, ADRIANNE C.

    2008-01-01

    O propósito desse estudo foi verificar as alterações histofisiológicas em monócitos e macrófagos induzidas por curtos períodos de exercícios. Ratos Wistar (idade = 2 meses, peso corporal = 200g) foram divididos em sete grupos (n=6 cada): controle sedentário (C), grupos exercitados (natação) na intensidade leve por 5 (5L), 10 (10L) e 15 minutos (15L), e grupos exercitados em intensidade moderada por 5 (5M), 10 (10M) e 15 minutes (15M). Na intensidade moderada os animais carregaram uma carga de 5% do peso corporal dos mesmos em seus respectivos dorsos. Os monócitos sangüíneos foram avaliados quanto à quantidade e morfologia e os macrófagos peritoneais foram analisados quanto à quantidade e atividade fagocitária. Os dados foram analisados usando ANOVA e Tukey’s post hoc test (p ≤ 0,05). Os grupos de intensidade leve e 5M apresentaram aumento nos níveis dos monócitos quando comparados com o controle. Foi observado aumento na área celular dos monócitos para os grupos 5L, 10L, 5M e 10M; a área nuclear aumentou para os grupos 10L, 5M e 10M em comparação com o controle. Houve aumento nos macrófagos peritoneais para os grupos 15L, 10M, 15M e diminuição no grupo 5M. A capacidade fagocitária dos macrófagos aumentou nos grupos de intensidade leve e para o grupo 10M. O exercício realizado por curtos períodos modulou o número e função dos macrófagos, assim como o número e morfologia dos monócitos, sendo tais alterações dependentes da intensidade. A soma das respostas agudas observadas nesse estudo pode exercer um efeito protetor contra doenças, podendo ser utilizada para a melhora da saúde e qualidade de vida.

  2. Variabilidade óptica de longo período e precessão de jato: o caso de BL Lacertae

    NASA Astrophysics Data System (ADS)

    Caproni, A.; Abraham, Z.

    2003-08-01

    Variabilidade é tipicamente uma característica de AGNs, sendo observada em toda a faixa eletromagnética. Em relação às escalas de tempo, variações desde horas até de algumas décadas foram encontradas por vários autores. Em alguns casos, análises temporais de curvas de luz mostram a existência de periodicidade nas variações observadas. Um exemplo de objeto que preenche as características mencionadas acima é BL Lacertae, o protótipo da classe BL Lac dos AGNs. Neste trabalho, nós interpretamos a variabilidade periódica de longo período detectada na curva de luz na banda B (~7,5 anos) como o resultado da periodicidade na amplificação da radiação oriunda do jato relativístico. Neste cenário, a amplificação periódica seria induzida pela precessão, que muda o ângulo entre o jato e a linha de visada. Com esta abordagem e vínculos adicionais fornecidos por observações em altas energias, nós podemos impor limites para os parâmetros do modelo de precessão, tais como o fator de Lorentz associado ao movimento global do jato, o ângulo de abertura do cone de precessão e o ângulo entre o eixo do cone e a linha de visada.

  3. Comparação de modelos para o cálculo de perturbações orbitais devidas à maré terrestre

    NASA Astrophysics Data System (ADS)

    Vieira Pinto, J.; Vilhena de Moraes, R.

    2003-08-01

    Aplicações recentes de satélites artificiais com finalidades geodinâmicas requerem órbitas determinadas com bastante precisão. Em particular marés terrestres influenciam o potencial terrestre causando perturbações adicionais no movimento de satélites artificiais, as quais tem sido medidas por diversos processos. A atração exercida pela lua e pelo sol sobre a terra produz deslocamentos elásticos em seu interior e uma protuberância em sua superfície. O resultado é uma pequena variação na distribuição da massa na terra, consequentemente no geopotencial. As perturbações nos elementos orbitais de satélites artificiais terrestres devidas a maré terrestre podem ser estudadas a partir das equações de Lagrange, considerando-se um conveniente potencial. Por outro lado, como tem sido feito pelo IERS, as mudanças induzidas pela maré terrestre no geopotencial podem ser convenientemente modeladas como variações nos coeficientes Cnm e Snm do geopotencial. As duas teorias ainda não foram comparados para um mesmo satélite. Neste trabalho são apresentadas e comparadas as variações de longo período e seculares nas perturbações orbitais devidas à maré terrestre, calculadas por um modelo simples, o de Kozai, e pelo modelo do IERS. Resultados preliminares mostram, para os satélites SCD2 e CBERS1, e para a Lua em movimento elíptico e precessionando, as perturbações seculares no argumento do perigeu e na longitude do nodo ascendente.