Science.gov

Sample records for anticorpos monoclonais ior-cea-1

  1. Immunoscintigraphy and radioimmunotherapy in Cuba: experiences with labeled monoclonal antibodies for cancer diagnosis and treatment (1993-2013).

    PubMed

    Peña, Yamilé; Perera, Alejandro; Batista, Juan F

    2014-01-01

    INTRODUCTION The availability of monoclonal antibodies in Cuba has facilitated development and application of innovative techniques (immunoscintigraphy and radioimmunotherapy) for cancer diagnosis and treatment. Objective Review immunoscintigraphy and radioimmunotherapy techniques and analyze their use in Cuba, based on the published literature. In this context, we describe the experience of Havana's Clinical Research Center with labeled monoclonal antibodies for cancer diagnosis and treatment during the period 1993-2013. EVIDENCE ACQUISITION Basic concepts concerning cancer and monoclonal antibodies were reviewed, as well as relevant international and Cuban data. Forty-nine documents were reviewed, among them 2 textbooks, 34 articles by Cuban authors and 13 by international authors. All works published by the Clinical Research Center from 1993 through 2013 were included. Bibliography was obtained from the library of the Clinical Research Center and Infomed, Cuba's national health telematics network, using the following keywords: monoclonal antibodies, immunoscintigraphy and radioimmunotherapy. RESULTS Labeling the antibodies (ior t3, ior t1, ior cea 1, ior egf/r3, ior c5, h-R3, 14F7 and rituximab) with radioactive isotopes was a basic line of research in Cuba and has fostered their use as diagnostic and therapeutic tools. The studies conducted demonstrated the good sensitivity and diagnostic precision of immunoscintigraphy for detecting various types of tumors (head and neck, ovarian, colon, breast, lymphoma, brain). Obtaining different radioimmune conjugates with radioactive isotopes such as 99mTc and 188Re made it possible to administer radioimmunotherapy to patients with several types of cancer (brain, lymphoma, breast). The objective of 60% of the clinical trials was to determine pharmacokinetics, internal dosimetry and adverse effects of monoclonal antibodies, as well as tumor response; there were few adverse effects, no damage to vital organs, and a positive

  2. [Chronic hypocalcemia due to anti-calcium sensing receptor antibodies].

    PubMed

    Marques, Pedro; Santos, Rita; Cavaco, Branca; Leite, Valeriano

    2014-01-01

    Introdução: O hipoparatiroidismo cursa com hipocalcemia e é mais frequentemente registado após cirurgia cervical. A etiologia autoimune é mais rara e difícil de diagnosticar. Caso clínico: Mulher, 52 anos, sem antecedentes pessoais, medicamentosos ou familiares relevantes, referenciada por hipocalcemia e calcificação dos núcleos da base, detetados no decurso de investigação de quadro de mialgias. Além de hipocalcemia (4,6 mg/dL), foi verificada hiperfosfatemia (8,7 mg/dL), hormona paratiroideia indetetável, calciúria, fosfatúria e magnesúria baixas. A análise molecular do gene CaSR excluiu mutações germinais. A pesquisa de anticorpos anti-receptor sensível do cálcio (anti-CaSR) foi positiva. Atualmente está assintomática e normocalcémica sob terapêutica com cálcio e vitamina D. Discussão: Embora rara, a hipocalcemia por hipoparatiroidismo autoimune deve ponderar-se em adultos sem antecedentes de cirurgia cervical, medicação hipocalcemiante, história familiar ou fenótipo sugestivo de doença genética. Hormona paratiroideia diminuída ou indetetável exclui pseudohipoparatiroidismo e a positividade para anti-CaSR confirma o diagnóstico.

  3. [TORCH serology and group B Streptococcus screening analysis in the population of a maternity].

    PubMed

    Lito, David; Francisco, Telma; Salva, Inês; Tavares, Maria das Neves; Oliveira, Rosa; Neto, Maria Teresa

    2013-01-01

    Objectivo: Avaliar o resultado de serologias para infeções do grupo TORCH e do rastreio para Streptococcus do grupo B (SGB) numa amostra de grávidas de uma maternidade, estudar a influência da idade e da nacionalidade, e identificar casos de infecção congénita.Material e Métodos: Estudo não probabilístico de prevalência de imunidade e infecção durante a gravidez.Resultados: Registámos 9508 serologias TORCH e 2639 resultados de rastreio para SGB. A taxa de imunidade para rubéola foi 93,3%, significativamente mais elevada em portuguesas; 25,7% das mulheres tinham IgG positiva para Toxoplasma goondii; a taxa foi mais elevada nas mulheres mais velhas e entre estrangeiras; encontrámos IgG positiva para vírus citomegálico humano (CMV) em 62,4%; não houve variação com a idade. O VDRL foi reactivo em 0,5%; 2,3% das mães tinham AgHBs positivo, mais frequente nas estrangeiras; 1,4% tinha anticorpos para o vírus da hepatite C e 0,7% tinha VIH positivo. Não houve casos declarados de infeção congénita; 13,9% das mulheres eram portadoras de SGB.Discussão: A elevada taxa de imunidade para a rubéola é resultado da política nacional de vacinação. A baixa taxa de imunidade para a toxoplasmose torna mais dispendioso o acompanhamento das grávidas. A elevada prevalência do CMV está de acordo com o encontrado na comunidade. Para algumas infeções foram encontradas diferenças de acordo com a nacionalidade.Conclusão: O conhecimento da imunidade e infecção na população é um instrumento importante para o planeamento dos rastreios durante a gravidez.